Portuguese English Esperanto French German Italian Spanish

O tormento consciencial do criminoso

Compartilhar -

A parte do ser humano que ainda não consegue receber a força da Lei Espiritual, se distancia da presença de Deus e passa a se acumpliciar com o mal. Voltando os pensamentos e sentimentos para as viciações, que impedem o fluxo das energias superiores que aclaram a mente humana, serena as emoções, renova e purifica as forças vitais que circulam no corpo físico. A identificação com o mal, impede a atuação dos mecanismos de proteção que todos os seres humanos possuem, mas que, obedecem ao Livre Arbítrio do homem, que certamente tem a liberdade de usá-lo ao seu bel-prazer, e, quando o usa arbitrariamente sem equilíbrio, surgem as tragédias íntimas, que levam o espírito imortal aos fracassos que todos conhecem.

Em O Livro dos Espíritos, quando Kardec pergunta aos irmãos espirituais onde estariam as Leis Divinas que regem à vida cósmica, eles respondem sistematicamente: “na consciência do homem”; indicando de uma forma cabal e completa, que o juiz real, que certamente nos irá julgar, aqui ou no além, não é externo, e sim interno, ou seja, se encontra dentro de nó; e é a nossa consciência imortal que cataloga todas as nossas faltas, por menores que sejam, e depois de algum tempo, inicia um processo de cobrança, do qual não temos condições de fugir, e a única maneira de pacificar nossa consciência é iniciar de imediato o ressarcimento de nossos débitos com a retaguarda da vida.

É muito comum, nos dias de hoje, infratores de todos os tipos de crime serem beneficiados pelas Leis humanas, que enfraquecem cada vez mais, devido ao corporativismo, o orgulho, a vaidade e o ciúme, que graça nos tribunais, desde os mais simples até ao Supremo Tribunal Federal, num acinte terrível com a população que espera dos seus representantes uma resposta à altura de cada crime praticado. Existem adicionais, mutretas, remendos colocados no Código de Processo Penal, que facilita vida dos faltosos, como por exemplo: Cumprir só um sexto da pena; liberdade condicional; prisão domiciliar; responder em liberdade e outros penduricalhos, que praticamente estimula o criminoso a continuar com a intemperança mental.

Quando o criminoso não é punido aqui na Terra, devido a esses expedientes nocivos, proporcionados pela própria justiça humana, ele carrega consigo para o outro lado da vida, dentro de sua consciência imortal, o conteúdo total do ato praticado, do qual não poderá se livrar, que certamente vai aflorar em tempo certo, exigindo do criminoso uma ação interna forte, de remorso, arrependimento e mudança de comportamento, sem o qual se verá sitiado por entidade inferiores, a lhe jogar na cara os delitos que praticou, e que vai atormentá-lo vida a fora, sem sossego, sem paz e sem tranquilidade para prosseguir sua jornada milenar no caminho das estrelas.

Tanto o remorso quanto o arrependimento são chamas ardentes arrasadoras, que estão se recompondo e fortalecendo dentro do ser humano, e quanto mais cresce esses sentimentos, aliados à mudança de hábitos, pendores e tendências, ou seja, mudança de comportamento; a fúria dos vingadores que foram prejudicados pela maldade, crueldade e perversidade do infrator diminui, dando lugar ao perdão por parte das vítimas, e o início do auto perdão, que em síntese é mais difícil do que o perdão dos outros. As vibrações deletérias que parte das pessoas prejudicadas, constitui força invisível de alto teor negativo, e só pode ser anulada, com movimento contrário no campo do bem, quando executado com carinho, compartilhamento e amor.

A dor, sofrimento e aflição, são mecanismos evolutivos e não chegam ao homem com a finalidade de fazê-lo sofrer, e sim de adverti-lo que alguma coisa vai mal com o espírito imortal, e assim como o corpo físico necessita de alimento material para se sustentar diante da vida. O mesmo acontece com o espírito, que não prescinde de alimento espiritual para sua sobrevivência no campo da carne e do espírito. O alimento do espírito são: a prece, o silêncio, o recolhimento e o culto no lar; que correspondem a antídotos profiláticos para sanear e curar os males do espírito.

É exatamente por intermédio desse processo dolorido que o espírito rebelde encontra o verdadeiro caminho da redenção, cansando-se de suas imperfeições, demonstrando uma vontade sincera de modificação de sua conduta diante dos homens e diante de Deus. Reconhece ainda, que a única maneira de encontrar seu verdadeiro destino, sua verdadeira paz, alegria e felicidade, e percorrer o caminho do bem.

Colhemos sempre depois da morte do corpo físico, os redutos exatos de nossas ações boas ou más, que correspondem ao bem comum ou às transgressões previstas nas Leis de Deus, que não podem ser adulteradas, corrompidas, como acontece aqui no Planeta Terra.

Muitos espíritos depois da morte, chegam ao outro lado da vida totalmente desequilibrados, atormentados e infelizes, porque levam consigo as farpas mentais que utilizaram para prejudicar os outros, e muitos ainda, demoram a perceber que deixaram o mundo dos vivos, e perambulam pelas vielas sombrias do mundo espiritual, na busca de um lenitivo que não podem encontrar. Só mesmo um arrependimento sincero, uma atitude sincera, no sentido de reconstruir sua vida, adotando a caridade, a mansuetude, o compartilhamento, a solidariedade e o amor pelos semelhantes, pode solucionar os problemas dos criminosos que partem cheios de ódio, rancor e ressentimento.

Existem espíritos que estão mergulhados em trevas densas; outros se encontram em absoluto isolamento no espaço; atormentados pela ignorância da própria posição, como do destino que os aguarda. Os mais culpados padecem tantas torturas tanto mais pungentes; por não lhes entreverem um termo, e nem quando o suplício vai terminar.

Compartilhar
assine-agora

Área Restrita

banner-vertical
HomeCategoria Ciencia e EspiritismoO tormento consciencial do criminoso Top of Página
Criação e desenvolvimento do site: Flávio Filipe Web e Designer Gráfico