pteneofrdeites
Artigo do Jornal: Jornal Agosto 2013
::cck::266::/cck::
::introtext::::/introtext::
::fulltext::

     O Correio Espírita esteve no GAEROL – Grupo de Apoio Espírita Rosângela Lima, situado na Rua Martins Torres, 479 – Sta. Rosa – Niterói – RJ, no período de dois meses (Maio a Julho), no propósito de conhecer o trabalho feito junto aos Dependentes Químicos. Dentre os enfoques que o curso ressaltou, foi a importância da D.Q. ser tratada como patologia a partir do séc. XVII, porque foram verificados e isolados os sintomas e características próprias. As principais intervenções para o tratamento verificados por estudiosos de todo o mundo, são: Hipnose, psicoterapia e psiquiatria. O GAEROL tem como principal foco o aconselhamento em Dependência Química, tratamento médico-clínico psiquiátrico, psicológico e Espiritual utilizando as bases oferecidas pela Doutrina Espírita. A Dependência Química é uma doença catalogada no CID-10, de caráter incurável, progressiva, multifária, e na visão espírita soma-se ainda o componente obsessivo, por isso a recomendação do NA é: EVITE A PRIMEIRA DOSE. Diga-se de passagem, o GAEROL enfatiza a mesma medida preventiva. Apesar do Dependente Químico nunca poder dizer que está curado, pode sim procurar todos os tratamentos pertinentes e com isso ter sob controle sua dependência, suas manifestações indesejáveis e todos os efeitos decorrentes de um adicto. Alan Silveira – um dos Coordenadores desse projeto, pode-se perceber todo este compromisso social junto a estes Dependentes. Eis a nossa Entrevista.

  1.      Como surgiu a ideia de montar o grupo de ajuda aos Dependentes Químicos?

     - Surgiu da necessidade. No início dos anos 90, uma frequentadora da Casa procurou a presidente Telma Regina pedindo socorro ao seu filho que se encontrava em profundo estado de dependência. Daí verificou-se a enorme dificuldade de se conseguir, dentro das Casas Espíritas, um tratamento específico. Assim o GEMA diagnosticou esta necessidade, selecionando alguns tarefeiros para buscarem a preparação adequada, sempre com o direcionamento da espiritualidade que cerca a Casa.

  1.      Fale um pouco sobre a Dependência Química.

     - É uma doença que já é catalogada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) há algumas décadas, que lhe dá a seguinte definição:

     A síndrome da dependência é um conjunto de fenômenos fisiológicos, comportamentais e cognitivos, no qual o uso de uma substância ou uma classe de substâncias alcança uma prioridade muito maior para um determinado indivíduo que outros comportamentos que antes tinham mais valor. Uma característica descritiva central da síndrome de dependência é o desejo (frequentemente forte, algumas vezes irresistível) de consumir drogas psicoativas (as quais podem ou não ter sido medicamentos prescritos), álcool ou tabaco. Pode haver evidência de que o retorno ao uso de substâncias após um período de abstinência leva a um reaparecimento mais rápido de outros aspectos da síndrome, do que ocorre com indivíduos não dependentes.

     É classificada ainda como uma doença Multifária (são inúmeros os fatores que levam o individuo a se tornar um dependente químico), Progressiva (avança nos diversos problemas gerados), Incurável (não há de se falar em cura, e sim de controle da doença – não pode o indivíduo voltar fazer o uso recreativo do químico) e de Determinação Fatal (uma vez instalada a doença as possibilidades se restringem a busca da recuperação através do tratamento; caso contrário os “finais” são sempre os mesmos: o desencarne prematuro – suicídio – a prisão em decorrência das ações praticadas ou ainda o avanço ao estado de “loucura”).

     Consideramos ainda as implicações espíritas do quadro, como os processos reencarnatórios e obsessivos, ignorados ainda pela ciência dos homens.

  1.      Quando foi e como foi que a ideia do curso surgiu?

     Foi no ano de 2008. No início pensou-se em algo específico que estabelecesse uma ponte segura entre o trabalho de recuperação e prevenção da dependência química e a Doutrina Espírita, com o objetivo de preparar tarefeiros para trabalharem no GAEROL (Grupo de Apoio Espírita Rosângela Lima, setor do GEMA – Grupo Espírita Messe de Amor – especializado no tratamento da dependência química), mas logo se avaliou a possibilidade de estender a programação do curso a todas as Casas interessadas em desenvolver esta tarefa. Assim o modelo de tratamento do GAEROL poderia ser multiplicado e atender, também nas Instituições coirmãs, a crescente demanda do problema em questão.

  1.      O curso é aberto a todas as correntes doutrinárias?

     - O curso visa a preparação de tarefeiros Espíritas. Nele são abordadas questões técnicas e espirituais de tratamento e prevenção em toda sua abrangência.

  1.      Quais são os principais obstáculos para a realização dos trabalhos no GAEROL?

     - Talvez este que procuramos solucionar, o problema de termos tarefeiros capacitados para tal. Do mais, o que enfrentamos, são dificuldades comuns a todas as tarefas desenvolvidas nas Casas Espíritas, é claro, com as particularidades e dificuldades que são específicas ao dependente químico e sua patologia.

  1.      Poderia resumir os trabalhos realizados no GAEROL?

     - O trabalho de recuperação é voltado aos irmãos que já desenvolveram a patologia. Na parte técnica do tratamento contamos com atendimentos em grupos de mútua ajuda, coordenados pelos conselheiros em dependência química. Temos ainda atendimentos nas áreas de psicologia, clínica médica e psiquiatria – todos desenvolvidos por profissionais das áreas, que têm também a formação de conselheiros em dependência química, além de serem tarefeiros da Casa. Há ainda o atendimento familiar para a codependência. Todos são realizados de forma ambulatorial. Na parte espiritual contamos com todos os contributos disponíveis na Casa Espírita, a saber: reuniões mediúnicas, públicas, de estudo, inserção do recuperando nas tarefas da Casa, incentivo a boa leitura, culto no lar etc.

     Realizamos ainda o trabalho de prevenção na evangelização e na mocidade da Casa, bem como na “Creche Comunitária Anália Franco”.

  1.      Caso alguma Casa Espírita queira implantar o trabalho, vocês darão suporte?

     Sim, faz parte da programação do Curso dar todo o suporte necessário para o início do trabalho nas Casas que efetivamente se propuserem a realizar a tarefa.

  1.      Fale sobre a relação entre o espiritismo e a Dependência Química.

     É uma relação legítima. A princípio pelas questões reencarnatórias que regem nossa passagem pelo orbe, tanto para os que trazem no íntimo as dificuldades que podem dar origem – sem determinismo – ao problema, como para o tarefeiro que não se envolve no labor pelas questões do acaso, que não existem. Após, em tratamento, percebemos a intimidade entre o modelo de recuperação técnico e a própria doutrina espírita, uma vez que o primeiro é totalmente voltado a questões de mudanças de comportamento em relação às mazelas apresentadas, assim como a Doutrina dos espíritos, promovendo, por conseguinte, um elo perfeito de atuação. Do mais temos no Mestre Amado Jesus e, em Deus, Pai de amor infinito, representados pelos espíritos coordenados por Rosângela Costa Lima, mentora da tarefa, a verdadeira tutora do programa.

  1.      Qual o papel da família no tratamento da dependência química?

     Importantíssimo! Como dissemos anteriormente a doença é multifária; porém a Venerável entidade Joanna de Ângelis dá destaque, em suas obras da série psicológica, à questão familiar. Lembremos que as nossas crianças absorvem com mais propriedade aquilo que elas vêem em forma de ações no lar do que aquilo que elas ouvem como sendo o certo a fazer! A participação é mais efetiva, assim, no trabalho preventivo, realizado junto a Casa. Nos casos de recuperação é importante a presença dos familiares que convivem com o dependente químico nos grupos de mútua ajuda voltados à questão da codependência.

  1.      Vocês pretendem realizar outro curso, há previsão, pré-requisito?

     Sim. Já temos praticamente mais duas turmas fechadas para os próximos cursos. Não temos ainda previsão, uma vez que vamos promover algumas mudanças sugeridas pelos alunos do primeiro curso. E os pré-requisitos são: ser tarefeiro espírita (de preferência indicado para participar do curso pela direção da Casa de origem), muita vontade de trabalhar em novos desafios e confiança irrestrita no Mestre Incomparável Jesus, que se apresenta no leme da questão!

     Este trabalho magnífico de caridade e de amor feito por um grupo de pessoas em que destacamos: Telma Regina, Presidente do Grupo Espírita Messe de Amor (GEMA) e responsável pelo setor doutrinário e mediúnico do Grupo de Apoio Espírita Rosângela Lima (GAEROL), Alan Silveira, Coordenador e Conselheiro em Dependência Química do Grupo de Apoio Espírita Rosângela Lima (GAEROL), Joel Rodrigues, Conselheiro em Dependência Química do Grupo de Apoio Espírita Rosângela Lima (GAEROL), Gisele Oliveira, Médica Clínica-Psiquiatra e Conselheira em dependência Química do Grupo de Apoio Espírita Rosângela Lima (GAEROL), Maria Tereza Silveira, Conselheira em Dependência Química do Grupo de Apoio Espírita Rosangela Lima (GAEROL) e Rita Cotrim, Psicóloga Clínica especialista em terapia Cognitivo Comportamental, conselheira em Dependência Química e tarefeira do Grupo de Apoio Espírita Rosângela Lima (GAEROL), a quem parabenizamos por tal dedicação.

Galeria de fotos do GAEROL


::/fulltext:: ::cck::266::/cck::
Compartilhar

Vídeos

Mala direta

Deixe seu nome e email e receba nossas mensagens gratuitamente em seu email.
Nome*
O nome é necessário!

E-mail*
Email inválido!

Login

Topo Cron Job Iniciado