pteneofrdeites
Artigo do Jornal: Jornal Outubro 2013

Sobre o autor

Marcus de Mario

Marcus de Mario

Compartilhar -
::cck::305::/cck::
::introtext::::/introtext::
::fulltext::

     Será que dá para viver sem conexão com a Internet? E passar um dia sem postar numa rede social, será possível? Tem muita gente que entra em pânico se ficar sem sinal da operadora no celular, ou se não conseguir postar através do seu smartphone ou tablet, não percebendo que essa dependência da tecnologia e da comunicação instantânea caracteriza uma doença, um desequilíbrio, quando, na verdade, é perfeitamente possível passar o dia realizando tarefas outras que não dependem nem de aparelhos eletrônicos, nem de Internet.

     Ninguém precisa morrer, ou vai morrer, porque está sem Internet. A existência humana é muito rica em motivações, prazeres, ideais, sonhos, realizações, para que nos entreguemos a um único propósito e um único fazer. Gastar horas e horas na frente da tela de um dispositivo eletrônico é perder valiosas oportunidades de convivência, de solidariedade, de fraternidade, de realizações úteis para nós e para os outros, ainda mais levando em consideração que essas horas muitas vezes são gastas em postagens fúteis, sem nenhum valor moral significativo.

     Precisamos compreender que a Internet – e aparelhos como o computador – é, na verdade, neutra, ou seja, ela mesma não faz bem nem mal. É instrumento desenvolvido pelo homem para a comunicação, e que o seu uso está na dependência do próprio homem, que pode lhe dar uma destinação boa ou má. Assim, o vício de ficar ligado na Internet o tempo todo é consequência do mau uso que fazemos do nosso livre arbítrio, criando um hábito nocivo.

     Limite as horas de uso do computador, e outros aparelhos, tanto de sua parte quanto dos familiares. Não fique olhando a caixa de entrada de mensagens a toda hora, mas sim em horários pré-determinados, e se não der para verificar, simplesmente deixe para outro momento. Desenvolva habitualmente tarefas como ler um livro, ouvir música, assistir um filme, telefonar para um amigo, passear na praça, fazer compras presencialmente, e não somente on-line. Conviva mais tempo com os familiares e amigos.

     Em resumo: não seja dependente da Internet, e sim do amor ao próximo e da prática da caridade, gerando paz e felicidade para você e para a sociedade humana. Viver é muito mais que ficar limitado a uma tela de computador e uma conexão com a Internet.

     Marcus De Mario é Educador; Escritor; Palestrante e Consultor Educacional e Empresarial.

::/fulltext:: ::cck::305::/cck::
Compartilhar
Topo Cron Job Iniciado