pteneofrdeites
Artigo do Jornal: Jornal Setembro 2014
Compartilhar -

ORAÇÃO PARA VENCER AS DIFICULDADES - NO BRASIL MORTES POR DEPRESSÃO CRESCEM 705% EM 16 ANOS – DEPRESSÃO SOMADA À DEPENDÊNCIA QUIMICA LEVOU O ATOR ROBIN WILLIAMS A COMETER O SUICÍDIO – A ALMA NÃO MORRE NUNCA – FATORES DE RISCO NA JUVENTUDE – PREVENÇÃO PELO TELEFONE 141 DO CVV – ATENDIMENTO FRATERNO NOS CENTROS ESPÍRITAS

 

Gerson Simões Monteiro

Vice-Presidente da FUNTARSO

Operadora da Rádio Rio de Janeiro (1400 KHz AM)

E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

 

Em 16 anos, o número de mortes relacionadas com depressão cresceu 705% no Brasil, mostra levantamento inédito feito pelo jornal O Estado de S. Paulo com base nos dados do sistema de mortalidade do Datasus. Estão incluídos na estatística casos de suicídio e outras mortes motivadas por problemas de saúde decorrentes de episódios depressivos.

Foi a depressão, somada à dependência química, que levou o ator americano Robin Williams, de 63 anos, a se matar. Os dados mostram que, em 1996, 58 pessoas morreram por uma causa associada à depressão. Em 2012, último dado disponível, foram 467.

O número total de suicídios também teve aumento significativo no Brasil. Passou de 6.743 para 10.321 no mesmo período, uma média de 28 mortes por dia. As taxas de suicídio são muito superiores às mortes associadas à depressão porque, na maioria dos casos, o atestado de óbito não traz a doença como causa associada.

No Brasil, a faixa etária correspondente à terceira idade é a que reúne as estatísticas mais preocupantes. No caso de mortes relacionadas à depressão, os maiores índices estão concentrados em pessoas com mais de 60 anos, com o ápice depois dos 80 anos.

No caso dos suicídios, embora os números absolutos não sejam maiores entre os idosos, a maior taxa de crescimento no período analisado ocorreu entre pessoas com mais de 80 anos. Entre 1996 e 2012, o suicídio cresceu 154% nesta faixa etária.

 

CAUSAS DA DEPRESSÃO

 

A depressão pode surgir diante de perdas significativas, em razão da morte de um ente muito querido, pela separação conjugal, pela perda do emprego ou qualquer outro tipo de perda na existência da pessoa. A forma de sair desse estado depressivo é, em primeiro lugar, orar a Deus com toda a fé e sinceridade, pedindo forças e coragem para prosseguir vivendo com resignação, manter a esperança e fazer de tudo para melhorar a vida.

Também em função da existência que levamos neste mundo, podem surgir pensamentos pessimistas e de tristeza que podem nos levar à depressão. Se não reagirmos a esse estado com ideias otimistas, tais pensamentos enfermiços podem nos levar até ao suicídio. Se a causa da depressão surgiu do fato de termos sido ofendidos por alguém da nossa intimidade, a primeira coisa a fazer é desculpar e perdoar quem nos ofendeu. Com isso, eliminamos automaticamente mágoas e ressentimentos, passando a sentir a alegria de viver.

Podemos ficar deprimidos ainda quando ferimos alguém e não nos desculpamos nem com a pessoa que magoamos, nem conosco mesmos interiormente, deixando de nos conceder o autoperdão. O remédio para acabar com este estado de espírito é mudar a nossa atitude mental, e desfazer o mal causado ao outro com a prática do bem, admitindo que, se somos passíveis de errar, também temos condições de reparar nossos erros.

O importante, sempre que nos sentirmos deprimidos, é pensar positivamente para sair desse estado e, sobretudo, manter o bom ânimo. Agora, quando a pessoa sofre de depressão por semanas ou meses, a chamada depressão clínica, é sinal de que ela precisa de tratamento médico e psicoterápico. Assim sendo, ela deve admitir que precisa de ajuda, o que não significa fraqueza, pois a depressão é uma doença que pode ser tratada com ótimos resultados.

 

A ALMA NÃO MORRE NUNCA

A alma não desaparece com o corpo, como também não é destruída pela morte, pois é imortal e imperecível. Portanto, ela não desaparece com o suicídio, assim como não deixa de sofrer, porque a vida prossegue em outro plano. A decepção que experimentam os suicidas é muito grande. Ao pretenderem acabar com os sofrimentos na Terra, intencionalmente buscando a morte, constatam, ao contrário disso, que continuam vivos, suportando as mesmas dores e sofrimentos.

Encontramos tal realidade nos relatos fornecidos pelos Espíritos suicidas, por intermédio de diversos médiuns, e registrados em diferentes obras espíritas. São depoimentos sobre as mais variadas situações que eles vivem em diferentes regiões do mundo espiritual, nas quais permanecem temporariamente expiando as dolorosas consequências de seu ato infeliz. Ao reencarnarem na Terra, todos passam por experiências regeneradoras, com o fim de se harmonizarem com as leis do Criador.

 

VIDA DIFICIL E ORAÇÃO

 

Agora, se a sua vida está difícil, vale a pena suicidar-se carregando na alma após a morte o remorso deste gesto infeliz? Claro que não. Quem hoje em dia não sofre? Quem não tem problemas sérios a resolver? Quem não carrega uma cruz pesada? E todas essas pessoas não conseguem vencer as suas dificuldades? Por que então você, que às vezes pensa em desertar da vida, também não vencerá as suas?

É preciso parar para pensar e buscar uma solução. Todos os problemas da vida têm solução.

No entanto, se você está se sentindo fraco, com as forças se esgotando, levante a cabeça para cima. Levante os olhos para o céu e peça com humildade a ajuda de Deus, que nunca está pobre de misericórdia. Deus, que é o nosso pai, não deixará você na rua da amargura e do desespero. Então, faça esta oração para buscar forças e coragem:

“Nosso Pai de amor e bondade! Ajuda-me a sair do desespero. Dá-me forças para continuar vivendo. Alivia a minha dor e ampara-me nesta hora difícil, porque sei que o Teu amor cobre a multidão dos meus erros. Diante da Tua Eterna compaixão, ergo as minhas mãos enfraquecidas nas lutas da vida, suplicando coragem para me levantar e poder caminhar com ânimo e vontade de viver.

Enxuga, Senhor, as minhas lágrimas nas dobras do Teu manto de infinita luz. Conforta o meu coração angustiado e sofrido neste momento. E eu te prometo, Senhor, com toda fé e convicção, que jamais ofenderei a Tua Suprema Bondade acabando com a minha vida, porque eu creio no Teu Infinito Amor! Por isso eu te peço Senhor, não me desampares jamais. Assim seja!”.

 

 

FATORES DE RISCO NA JUVENTUDE

 

A depressão é, certamente, o diagnóstico psiquiátrico mais observado em adolescentes que tentam o suicídio. Desesperança, transtornos de conduta, consumo de drogas, disfunção familiar, eventos estressantes, abusos (físicos, sexuais ou psicológicos) e fatores biológicos podem ser considerados os principais agentes causadores deste distúrbio.

Quase sempre o jovem que pensa em suicídio dá sinal desta ideia através de um comportamento diferente no seu modo de viver, passando a buscar refúgio na solidão, isolando-se de tudo e de todos. Notam-se principalmente a falta de amigos e o isolamento, pois o jovem, por sua própria natureza, busca o grupo como forma de afirmação da sua identidade.

Os pensamentos sobre suicídio não devem ser considerados sem importância ou vistos com indiferença. É falso o conceito de que “quem fala sobre suicídio não tenta nem tentará suicidar-se”. Quaisquer que sejam os seus problemas, pensamentos como: “Eu preferia estar morto”, “Eu não posso fazer nada”, “Eu não aguento mais”, “Eu sou um perdedor e um peso para os outros”, e “Os outros vão ser mais felizes sem mim”, indicam que o jovem está correndo sérios riscos.

Esse é o momento de ajudá-lo, procurando estar mais perto dele, demonstrando que a presença de pais e amigos lhe faz bem. Fazê-lo sentir-se amado é fundamental para levantar a sua autoestima.

É importante saber que o jovem com baixa autoestima sente medo, ansiedade e outros estados negativos nos âmbitos físico e psicológico. Passa, em razão disso, a não se cuidar: apresenta aparência desleixada, olhar para baixo, cabeça curvada. Sente-se menor do que os outros, isolando-se dos amigos e do grupo a que está vinculado. Sem objetivos na vida, ele acaba entrando num processo depressivo de funestas consequências.

 

AÇÃO DOS ESPÍRITOS OBSESSORES

 

A obsessão é também uma das causas de muitos jovens darem fim à vida física. No livro de nossa autoria Suicídio e Suas Consequências, apresentamos o depoimento de Hilda, Espírito de uma jovem suicida, no qual relata seus padecimentos após a morte do corpo físico, deixando bem clara a causa do seu gesto infeliz.

Segundo Hilda, além da sua rebeldia em não aceitar a vida com suas naturais dificuldades e frustrações, a influência de Espíritos obsessores também foi um fator importante para levá-la ao autoextermínio. Aliás, sobre este assunto, Allan Kardec, em O Evangelho Segundo o Espiritismo, esclarece que quase sempre a obsessão exprime a vingança que um Espírito exerce e que com frequência se radica nas relações que o obsidiado manteve com ele em encarnação anterior. Esse fato pode ser constatado no seguinte trecho do seu depoimento, pela psicofonia do médium Francisco Cândido Xavier, registrado no livro Vozes do Grande Além:

“Fala-vos humilde companheira que ainda sofre depois de aflitiva tragédia no suicídio, alguém que conhece de perto a responsabilidade na queda a que se arrojou, infeliz.

Obsediada fui eu, é verdade, jovem caprichosa, contrariada em meus impulsos afetivos, acariciei a ideia de fuga, menoscabando todos os favores que a Providência Divina me concedera à estrada primaveril. Acalentei a ideia do suicídio com volúpia e, com isso, através dela, fortaleci as ligações deploráveis com os desafetos de meu passado, que falavam mais alto no presente.

Esqueci-me dos generosos progenitores, a quem devia ternura, dos familiares com os quais me empenhara em abençoadas dívidas de serviço; olvidei meus amigos, cuja simpatia poderia tomar por valioso escudo em justa defesa, e desviei-me do campo de sagradas obrigações, ignorando deliberadamente que elas representavam os instrumentos de minha restauração espiritual... Em razão disso, padeci, depois do túmulo, todas as humilhações que podem rebaixar a mulher indefesa...”.

 

PREVENÇÃO PELO TELEFONE 141 DO CVV

 

O portador de uma dor física tem um profissional para atendê-lo, mas e o de transtornos psicológicos, a quem procurar? Onde buscar ajuda? Neste particular, o Centro de Valorização da Vida (CVV) realiza um relevante serviço em favor dos suicidas potenciais através do atendimento telefônico e pessoal, baseado na doação da amizade. E se você, atormentado pela depressão, está pensando em desistir da vida, ligue para o Centro de Valorização da Vida (CVV) - telefones: (21) 2233-9191 e 2236-0536, no Rio de Janeiro. Eles têm telefones em todo o Brasil; para ver o que corresponde ao seu Estado, acesse: www.cvv.com.br.

 

ATENDIMENTO FRATERNO NOS CENTROS ESPÍRITAS

 

Os Centros Espíritas também realizam um trabalho de ajuda fundamental por meio do Atendimento Fraterno, não só aos deprimidos, mas também às pessoas que precisam de assistência espiritual. De um modo geral, permite-se o contato direto e possibilita-se o desabafo de quem esteja pensando em abandonar a vida pelo autoextermínio.

Por outro lado, as reuniões de desobsessão são de suma importância para ajudar aqueles que pensam em suicidar-se, através da moralização do espírito inimigo responsável pela sugestão infeliz de desistir da vida. Para obter endereços de Centros Espíritas no Estado do Rio de Janeiro, ligue para o plantão do CEERJ, telefax: (21) 2224-1244.

Sobre Prevenção do Suicídio publiquei o livro A Vida pede passagem disponível na Livraria do CEERJ, Rua dos Inválidos, 182, Centro, telefone: 21-2224-1244, e na Livraria do IEBM, Rua Coronel Gomes Machado 140, Centro, Niterói, tel: 21-2620-3663.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhar
Topo Cron Job Iniciado