pteneofrdeites
Artigo do Jornal: Jornal Novembro 2016
Compartilhar -

Texto de Paulo A. Baía Mourinha (Adaptado por Luismar Ornelas de Lima)

Nos dias 7, 8 e 9 de Outubro, a sala Tejo - da Meo Arena, tornou-se pequena para receber os mais de 2000 congressistas de todas as partes do mundo para participarem do 8º CEM, conforme ficou conhecido o Encontro. Foram 22 conferências proferidas por médicos, psicólogos, juristas, jornalistas, professores, engenheiros, economistas e gestores, em torno do tema: Em Defesa da Vida.

Com a organização do Conselho Espírita Internacional (CEI) e a coordenação da Federação Espírita Portuguesa, o 8º CEM teve inicio com dois lindíssimos momentos de arte, pela bailarina Isabela Faria, da pianista Joana Vieira Shumova e  do violoncelista Mikhail Shumov.

Constituída a Mesa, tomaram a palavra Vítor Féria (presidente da Federação Espírita Portuguesa) que deu as boas-vindas aos congressistas do 8º CEM e pediu a Raul Teixeira que fizesse a prece de abertura dos trabalhos. Momento de sentida emoção!

Logo após, tomou a palavra Charles Kempf (secretário geral do CEI) que abordou a história dos Congressos Espíritas Mundiais, a sua importância e as suas figuras históricas.

Pouco depois, a esperada conferência de Divaldo Pereira Franco que ,durante cerca de uma hora, falou da busca humana, ao longo da história, pelo sentido da vida e do seu valor.

Houve um intervalo, e seguiu-se um bloco de palestras que começou com a Engenheira Nuclear Rejane Planer e a sua abordagem à Cosmologia Espírita. O orador espanhol, António Lledó expôs acerca da Vida e Ciência.O jornalista e diretor da FEBTV, Carlos Campetti falou do Diálogo de Jesus. José Roberto Santos (diretor científico da AME-ES) discursou sobre Eutanásia e Distanásia. A tarde encerraria com um momento musical, desta vez a cargo da voz suave e doce da intérprete Sílvia Torres, conhecida também como Sonasfly.

O segundo dia do congresso (dia 8), abriu com o vibrante poder vocal dos dois contratenores : Luís Peças e João Paulo Peças, que colocaram a sala numa atmosfera de deleite auditivo. Os apresentadores anunciaram então o primeiro orador: o coronel da reserva, João Gonçalves que abordou o Pensamento Sistêmico. Em seguida o especialista em marketing digital, Vasco Marques que falou das novas tecnologias de comunicação. Encerrando o bloco o português José Lucas (tenente-coronel na reserva) abordou As Provas Científicas da Fluidoterapia.

Após o intervalo, um painel de debate sobre suicídio foi coordenado pela presidente da Federação Espírita dos Estados Unidos, Jussara Korngold, composto por: Filipa Ribeiro (jornalista); Carlos G. Gomes (profissional de inteligência empresarial); Dalva Sousa (professora); Alexandre Silva (jurista); Gelson L. Roberto (psicólogo). Continuando o administrador de propriedades, Manuel de La Cruz fez palestra sobre o Aborto contando com a participação de algumas convidadas no palco.

.jpg À tarde, após novo momento cultural com a harpista Helena Madeira, Marlon Reikdal, psicólogo clínico, discursou sobre o Inimigo em Mim. E Gláucia Lima, Psiquiatra, dissertou sobre Disforia de Sexo. A professora Ana Duarte, em seguida, encerrou este bloco com uma abordagem à Dislexia, Humildade e Aprendizagem.

Após o segundo intervalo, formou-se mais um painel, desta vez para dialogar sobre a Educação. Com a coordenação da psicóloga Miriam Masotti Dusi, participaram: Vera Milano (funcionária reformada do Banco do Brasil); Milcíades Torres (gerente comercial); Vera Leite (empresária); Leonor Leal (técnica de RH) e Alessandro Viana de  Paula (magistrado).

Em continuação, as palestras do médico Luténio Faria a respeito do Medo da Velhice. Seu seguidor foi o neuropsicólogo Paulo Mourinha que falou sobre A Ética Espírita e o Pensamento Ecológico Profundo. Encerrando o dia, o jornalista brasileiro, André Trigueiro, muito aplaudido, discursou sobre o tema Espiritismo e Ecologia.

,.jpg .jpgO último dia do congresso –.jpg 9 de outubro - dia marcado pelo auto-de-fé de Barcelona, que em 1861 tentou destruir ideias, mas que é lembrado, tão somente, pela transformação de papel em cinzas. Aproveitando a atmosfera especial, Xavier Llobet, advogado, lembrou os acontecimentos desse auto hispânico, tão distantes e tão perto.

Antes que as palestras tomassem conta do auditório, Maurício Virgens, barítono brasileiro, encheu literalmente o auditório com a pujança de um registro vocal capaz de criar uma parede de som ao mesmo tempo imponente e enternecedora.

Minutos depois tomava o palco, o presidente da Federação Espírita Brasileira, Jorge Godinho, para desenvolver o tema Espiritismo e Vida.

O casal Iris e Cláudio Sinoti falaram sobre Em Louvor à Vida, dando lugar a Divaldo Franco, a quem coube encerrar o 8º Congresso Espírita Mundial. Ao término da palestra, o Semeador de Estrelas recebeu por psicofonia, mensagem do Espírito Bezerra de Menezes, que conclamou os presentes à superação pessoal através do amor, num mundo que passando por tribulações, precisa alcançar a verdadeira fraternidade, a única capaz de unir os homens.

Faltavam apenas as despedidas, que ocorreram em apoteose, primando pela organização a ser aplaudida de pé pelos congressistas ao som do “Hino à Alegria” que, a essa altura Maurício Virgens cantava ininterruptamente, em diferentes idiomas.

O presidente da Federação Espírita Portuguesa, emocionado, agradeceu a todos os presentes e ato contínuo as cortinas se fecharam pela última vez no 8º Congresso Espírita Mundial.

Um misto de saudade e dever cumprido inundava a maioria dos corações. Abraços, sorrisos, olhos inundados de lágrimas temperavam o afeto com água salgada...

O 9º Congresso Espírita Mundial .jpg a ser sediado na cidade do México, foi anunciado para outubro de 2019.

Compartilhar
Topo Cron Job Iniciado