pteneofrdeites
Artigo do Jornal: Jornal Fevereiro 2017
Compartilhar -

Alguns diziam que não fazem caridade porque são pobres, não tendo, portanto, a menor condição para ajudar os desvalidos. Como essas pessoas se enganam ao pensar assim porque existem muitas maneiras de servir ao próximo sem necessitar de largos recursos econômicos. Vamos conhecer algumas delas:

 

    Emprestar os ouvidos aos que precisam desabafar .

Conheço muita gente que evita explicitamente conversar com uma pessoa angustiada ainda que ela seja um amigo ou mesmo um parente. Costuma chamar esses sofredores de “malas sem alça”, pessoas chatas, gente para baixo e assim por diante. As pessoas que sofrem, muitas vezes, assemelham-se a alguém que carrega consigo um fardo muito pesado e gostaria de dividir aquele peso com alguém. De um certo modo é isso que faz o padre em seu confessionário ou o analista em seu consultório.

O que nos custa ouvir o desabafo de uma pessoa. Essas pessoas que vem até nós para contar as suas tristezas, desejam apenas uma coisa: atenção. Muitas vezes nem mesmo nos pedem conselhos ou palavras de consolo e, no caso de pedirem uma dessas coisas não podemos nos furtar a dar um conselho ou dizer palavras que consolem. Para aconselhar ou dizer algo que ajude, e necessário que tenhamos prestado bastante atenção ao problema que nos foi trazido. Assim não basta emprestar os ouvidos e ficar distante do que se houve, é necessário avaliar o que se está escutando para que as nossas palavras tenham o mínimo de sentido.

 

    Dar um tempo como voluntário a uma obra social espírita ou não.

    Esta é uma forma de ajudar sem gastar mais nada além de seu tempo, principalmente se você for aposentado ou aposentada. Como diz o Evangelho, a seara é enorme e os trabalhadores são poucos. Muitas instituições sociais, espíritas e não espíritas, carecem de pessoas que possam prestar um grande serviço como: colaborar na livraria do centro; trabalhar na cozinha e dias de festa; alfabetizar companheiros que não sabem ler nem escrever; ensinar trabalhos manuais aos assistidos; evangelizar crianças; trabalhar na livraria e assim por diante. Para isso, basta chegar ao seu centro espírita e perguntar: Aqui tem trabalho para mim? Por certo, não faltará alguém que lhe diga onde você poderá ser útil.

 

    Não dar continuidade ou estímulos a conversas negativas que visem a denegrir o caráter de uma pessoa.

   Leitor amigo, você estará fazendo um grande bem quando uma pessoa má e novidadeira vem à sua presença para falar mal de alguém. Firmemente, mas com delicadeza, diga a esta pessoa que tal assunto não lhe interessa e que você não se nega a conversar com ela desde que o assunto não seja a vida alheia. Com essa simples atitude você estará impedindo que o nome de alguém seja enxovalhado, interrompendo assim uma corrente de negatividade do qual você seria mais um elo.

 

    Ter cuidado com o meio ambiente.

      Não jogar pela janela de seu carro ou quando estiver andando na rua lixo que poderá entupir bueiros. Do mesmo modo aprenda a separar o lixo orgânico do lixo reciclável, não jogue coisas grandes como malas e sofás dentro do riacho que passa perto de sua casa ou nas encostas dos morros. Isso além de ser um ato politicamente correto, evitará que pessoas sofram por causa de sua insensibilidade quando vierem as grandes chuvas. E, mais uma vez, isso nada lhe custará a não ser um pouco mais de trabalho.

 

    Visitar asilos de velhos, orfanatos, hospitais e presídios.

 

Uma das provas mais duras que podemos passar é nos ver sozinhos em momentos de grande sofrimento e em datas especiais como o Natal ou o nosso aniversário. Este é o caso de pessoas que foram abandonadas em asilos pela própria família e que deixaram há muito de receberem visitas. No mesmo caso estão as pessoas que passam por dores agudas nos leitos de hospitais sem uma palavra amiga que as console em suas dores. Vai ao encontro dessas pessoas; diz que elas não estão sós; leva a elas um pouco de alegria; em uma palavra: sê solidário. Isto te custa muito pouco.

 

    Ensinar as Pessoas a ler.

   Eis uma grande caridade. É provável que um parente seu, a sua empregada doméstica, uma assistida do centro que você frequenta ou um vizinho não saibam ler. Vá na direção deles e se ofereça para alfabetizá-los: se eles aceitarem você estará á dando a eles uma ajuda inestimável.

 

    Dar Passes no Centro Espírita.

Eis uma atividade de caridade cristã que também não exige dinheiro, mas apenas preparação e boa vontade. Se você gostaria de dar passes, a primeira condição é fazer um cursinho de médium passista. Alguns centros espíritas oferecem este tipo de curso. Caso você não tenha acesso a uma atividade deste tipo, existem várias obras sérias e interessantes que nos ajudam a entender o que é o passe, sua utilidade e a sua técnica. Feito isto, entre no exercício da arte de ceder energia por meio da imposição de mãos. Novamente você gastará nesta atividade apenas energia e nada mais.

Compartilhar
Topo Cron Job Iniciado