pteneofrdeites
Artigo do Jornal: Jornal Outubro 2018
Compartilhar -

O meme é uma forma de comunicação moderna, vulgarizada pelas redes sociais, e condensa uma ideia, com um ar cômico, e que retrata situações do momento e visa basicamente se reproduzir, no fenômeno da viralização. Uma forma de comunicação por vezes espontânea, e democrática, que chegou com força e não nos abandona. Imprevisível, coisas viram meme sem esperarmos, e isso tem a ver com a percepção dos diversos públicos daquele evento.

Um desses que rodou muito por aí foi que a vida se resume a pagar contas e ver séries, com variações textuais, mas a ideia é essa. De que a existência se trataria, basicamente, em assistir um novo formato de novelas facilitadas pelos serviços de streaming, que permitem gerenciar os programas de forma assíncrona, e de pagar contas que sustentariam as nossas necessidades básicas, como o acesso à internet que permite assistir a essas mesmas séries.

Um retrato de nosso tempo, uma comédia trágica de nós mesmos, por resumir a nossa visão de futuro, nosso ideal de vida em uma postura passiva diante de histórias que consumimos avidamente, e sobre elas comentamos, vivendo um mundo paralelo, ensimesmado, de personagens e narrativas, que por vezes servem de um bom esconderijo dos desafios da vida real. Ou ainda, de nascedouro de um egoísmo crônico.

Nada contra a narrativa novelística, famosa desde os tempos de Honoré de Balzac, ou de uma boa história, que nos embala a imaginação, que nos ajuda a superar as dificuldades, em uma visão mais psicanalítica, elemento de nossa vida abstrata e fonte de saúde mental, de crescimento, de sentimentos e de sonhos.

A questão é o equilíbrio disse tudo, na qual narrativas e vidas vistas por telas afetam a nossa percepção do real, nos distancia de problemas que andam por aí, de questões concretas, enfim, de nossos compromissos como espíritos encarnados. Aí, a própria profusão de comunicação, de transparência, desvela essa realidade, e isso nos causa medo, e nos escondemos do mundo.

Não nascemos para maratonar séries, em que pese isso faça parte do contexto da nossa vida como encarnado, como ser social. Mas importa, em uma visão espírita, entender o que recebemos, o que fazemos disso, e o que se espera ao fim de nossa jornada, resgatando a sempre atual parábola dos talentos. Tempo é ouro, e para nós, espíritas, tempo é oportunidade.

Da mesma forma, a literatura espírita é permeada de um sem número de romances, o que monopoliza a forma de reflexão, de linguagem, o que se espraia para o teatro, o cinema espírita, em um processo de narrativa que termina, por vezes, a simplificar o que é complexo, nos afastando das essências, refastelados na aparência transitória.

O chamado loteamento virtual, a qual só existimos se dispusermos de um canal de vídeo, um site, um perfil nas redes sociais, desloca forças de nossos trabalhadores para a criação e manutenção desses espaços, uma energia que poderia ser utilizada em outras frentes, ou pelo menos fazer destas ações de comunicação vinculadas a promover trabalhos e para eles arrecadar recursos.

Essa vivência no imaginário e no virtual, como disse, antiga e salutar, pode servir de caverna para nos ocultar dos dragões que julgamos maiores do que são, e que se alimentam de nossas distâncias, para nos privar da vivência intensa e proveitosa da encarnação, uma oportunidade valiosa e que só tem sentido na relação com o outro, pois se assim não fosse, nasceríamos sozinhos.

Pare...pense...analise...a sua vida está pautada em pagar contas e ver séries? Quem está assistindo a série da sua vida vai lhe cobrar, amorosamente, uma conta algum dia, e o tempo passado, como um rio caudaloso, não volta atrás, nos exigindo refazimento e reparação, e ninguém gosta de ficar vendo os mesmos filmes várias vezes. Só os aficionados...

Compartilhar
Topo Cron Job Iniciado