pteneofrdeites
Artigo do Jornal: Jornal Julho 2013
Compartilhar -
::cck::211::/cck::
::introtext::::/introtext::
::fulltext::

geniomirim   Menino autista, gênio da física, cotado para um dia levar o Nobel - Com 11 anos entrou para a universidade onde faz pesquisas avançadas de física quântica - A origem do fenômeno da genialidade infantil e o Espiritismo - Outro superdotado Kim Young-Ung

  A reencarnação, como se sabe, não é uma invenção do Espiritismo. Num texto encontrado pelo pesquisador da história do Egito, Picone-Chiodo, escrito cerca de três mil anos antes de Cristo, dizia-se: "Antes de nascer à criança viveu, e a morte não é o fim. A vida é um evento que passa como o dia solar que renasce".

   No fato que vamos apresentar a seguir, o do menino nascido no estado de Indiana, EUA, em 1999, Jacob Barnett, a nosso ver não haveria melhor explicação do que a reencarnação. Vejamos os fatos:

AUTISTA AOS DOIS ANOS

   Aos dois anos de idade, em 2001, o jovem americano Jacob Barnett foi diagnosticado com autismo, e o prognóstico era ruim: especialistas diziam a sua mãe que ele provavelmente não conseguiria aprender a ler ou sequer a amarrar seus sapatos.

   O caminho trilhado, realmente, nem sempre foi fácil. Kristine Barnett, mãe de Jacob, disse à BBC que, quando criança, ele quase não falava e ela tinha muitas dúvidas sobre a melhor forma de educá-lo. "Após ser diagnosticado, Jacob foi colocado em um programa especial de aprendizagem. Com quase 4 anos de idade, ele fazia horas de terapia para tentar desenvolver suas habilidades e voltar a falar. Mas percebi que, fora da terapia, ele fazia coisas extraordinárias. Criava mapas no chão da sala, com cotonetes, de lugares em que havíamos estado. Recitava o alfabeto de trás para frente e falava quatro línguas".

   Jacob Barnett teve uma infância diferente dos demais colegas de escola. O pré-adolescente de Indiana, EUA, que tem aulas de astrofísica regularmente desde os 8 anos, sofre da síndrome de Asperger, uma variação do autismo, cujas características são: dificuldade de interação social, dificuldade em processar e expressar emoções (este problema leva a que as outras pessoas se afastem por pensarem que o indivíduo não sente empatia), interpretação muito literal da linguagem, dificuldade com mudanças na rotina, pessoas desconhecidas, ou que não veem há muito tempo, comportamentos estereotipados.

   No entanto, tudo isso pode ser conciliado com desenvolvimento cognitivo normal ou alto, eis porque ele sempre se interessou por cálculos complexos de álgebra e pelo desenvolvimento de novos modelos para o estudo de trigonometria e geometria variáveis. Questões difíceis até para adultos.

GÊNIO DA FÍSICA

   Alguns especialistas dizem, hoje, que o Ql do jovem é superior ao de Albert Einstein. Jacob começou a desenvolver teorias sobre astrofísica aos 9 anos. No livro The Spark (A Faísca, em tradução livre), que narra a história de Jacob, sua mãe conta que buscou aconselhamento de um famoso astrofísico do Instituto de Estudos Avançados de Princeton, que disse a ela que as teorias do filho eram não apenas originais como também poderiam colocá-lo na fila por um premio Nobel.

   Dois anos depois, quando Jacob estava com 11 anos, ele entrou na universidade, onde faz pesquisas avançadas em física quântica. Aos 12 anos pretendia criar uma versão "mais elaborada" da Teoria da Relatividade, de Albert Einstein. Jacob Barnett tem QI de 170 pontos, mais 10 que os 160 do criador da fórmula E=mc2 (Albert Einstein) e cativou a atenção de professores universitários dos Estados Unidos pela sua rara inteligência.

   Mas Jacob acabou indo muito além. Aos 14 anos, o adolescente estuda para obter seu mestrado em física quântica.

SÓ A REENCARNAÇÃO EXPLICA

   Sobre a origem do fenômeno da genialidade infantil existe a tese da hereditariedade genética, de cunho eminentemente materialista. Nesse caso, os pais seriam responsáveis pela doação de genes capazes de possibilitarem o nascimento de crianças superdotadas. Essa teoria é insuficiente e cai por terra, por não responder o fato de pessoas que nasceram de pais pouco instruídos (como por exemplo: Descartes, Copérnico, Augusto Comte, Galvani, Spinoza e tantos outros) se distinguirem por suas brilhantes faculdades intelectuais.

   Sobre o assunto, no entanto, a Doutrina Espírita, com base em sua filosofia espiritualista, prova com evidências irrecusáveis que a inteligência é independente do organismo, por ser um atributo do espírito, uma vez que o alto grau da atividade intelectual se mostra entre aqueles cuja idade não atingiu a maturidade física plena.

   Na questão 203 de O Livro dos Espíritos, os benfeitores espirituais responderam a Allan Kardec que os pais não transmitem aos filhos parcelas de suas almas, pois a alma é indivisível. Apenas lhes dão a vida animal, ou seja, os recursos genéticos, ao transmitirem aos filhos a hereditariedade física, como a cor dos olhos e dos cabelos, a forma e a dimensão de certas partes do rosto ou do corpo. Ainda na mesma questão, os benfeitores disseram que um pai obtuso, isto é, ignorante, pode ter um filho inteligente e vice-versa.

   Lembremos que segundo o depoimento da mãe, aos 4 anos de idade, Jacob sabia recitar o alfabeto de trás para frente e falava com fluência outros quatro idiomas, isso sem ter tido nenhum aprendizado específico, ou seja, já era dele, já pertencia a ele. Ora, se isso nada tem a ver com a atual existência, como explicar o fato sem a reencarnação?

OUTRO SUPERDOTADO

   Kim Yong-Ung, nascido em 7 de março de 1963 na Coreia do Sul, é considerado o homem com o Q.I mais alto da Terra, aproximadamente 210. Com apenas 6 meses aprendeu a falar em seu idioma natal, com 1 ano já se comunicava fluentemente. Com 3 era capaz de falar em pelo menos três idiomas: japonês, alemão e inglês.

   Por causa de seus feitos, com 8 anos foi convidado pela NASA a estudar nos EUA. Permaneceu na terra do Tio Sam até os 17 anos, quando conquistou seu doutorado em física pela Universidade Estadual do Colorado. Atualmente, Kim dá aula em uma universidade sul-coreana na cadeira de engenharia civil como forma de ajudar sua terra natal.

CONCLUSÃO

   Portanto, ficou evidenciado que as faculdades extraordinárias do indivíduo, sem estudo prévio, são atributo do espírito que guarda lembranças do passado. Isso ocorre em razão do progresso anterior adquirido, porque o espírito troca de roupagem física através das reencarnações sucessivas; porém, sua individualidade imortal não perde jamais o conhecimento intelecto-moral adquirido ao longo de suas experiências, no curso de sua evolução espiritual, até conquistar a condição de puro espírito, a mesma obtida pelo Cristo.

 

jacob

FOTO DO JACOB BARNETT AOS 14 ANOS


Kim-Ung-yong

 1 - KIM YONG-UNG AOS QUATRO ANOS DESENVOLVENDO CÁLCULOS MATEMÁTICOS NO QUADRO

KimUngYong

 2- ATUALMENTE COM 50 ANOS

::/fulltext:: ::cck::211::/cck::
Compartilhar
Topo Cron Job Iniciado