pteneofrdeites
Compartilhar -

Magistrados Espíritas consideram resolução como uma afronta ao Direito à Vida. A ABRAME - Associação Brasileira dos Magistrados Espíritas - já tem conhecimento da resolução aprovada no Conselho Federal de Medicina. Mas como o assunto ainda está no seu início, os magistrados preferem esperar os acontecimentos, sem deixar de acompanhá-los. Em entrevista concedida ao Correio Espírita, o Presidente da ABRAME, Dr. Zalmino Zimmermann, aponta dentro da visão Jurídico-Espírita, os riscos e as conseqüências da Ortotanásia.

Correio Espírita: Como magistrado e espírita, como o Sr. analisa o fato da Ortotanásia  ser aprovada no Conselho Federal de Medicina?

Dr. Zalmino Zimmermann: Trata-se de uma medida tão audaciosa, quão perigosa, que, em princípio, afronta o direito à vida, garantido pela Constituição. A consciência ético-jurídica inadmite a possibilidade de que terceiro compareça como juiz do direito de outrem à vida, tornando-se cúmplice de sua morte. E, também, ninguém tem o direito de dispor de sua vida, exigindo que outro o mate.

Correio Espírita: Existe uma legitimidade jurídica quanto a aprovação desta resolução?

Dr. Zalmino Zimmermann: Inexiste na legislação brasileira nenhum dispositivo que faculte a ortotanásia ou eutanásia passiva. O que existe a respeito é apenas uma decisão do Conselho Federal de Medicina e resoluções desse tipo, que contrariam a Lei, são ilegais.

Correio Espírita: Na sua opinião, existe a  possibilidade de ser apresentado um projeto, no Congresso, liberando a ortotanásia?

Dr. Zalmino Zimmermann: Possibilidade existe, mas, como acontece com muitos projetos, vários fatores poderão dificultar ou, até, trancar sua tramitação. De qualquer forma, a Frente Parlamentar em Defesa da Vida, constituída no ano passado, certamente estará atenta ao que puder ocorrer.

Correio Espírita: Hoje a Ortotanásia é considerada um homicídio. Qual é a pena para  este ato? No ponto de vista espiritual, quais são as conseqüências  deste ato?

Dr. Zalmino Zimmermann: A Lei Penal (art. 21 e parágrafos) prevê para o crime de homicídio uma pena de 6 a 30 anos de reclusão. Para o homicídio culposo, a pena de 1 a 3 anos de detenção. Se o agente cometer o crime impelido por motivo de relevante valor moral, a pena pode ser reduzida de um sexto a um terço. Caberá, naturalmente, aos julgadores avaliar as provas e argumentações. Certamente, muitas discussões surgirão em torno do tema, numa sociedade pluralista como a nossa, em que variam as concepções da moral social e em que, muitas vezes, uma visão mais materialista impede uma melhor percepção da realidade espiritual. Quanto às conseqüências espirituais para o paciente e para o agente, colaboradores e familiares, impõe-se ter presente que a Lei da Causalidade Espiritual, expressão espiritual da Lei de Causa e Efeito, opera em cada ser, segundo a condição espiritual de cada um, os  motivos e as  circunstâncias de sua ação, os efeitos, etc., sabendo-se que cada caso é um caso.

Correio Espírita: O que o Movimento Espírita Brasileiro pode fazer para contribuir  afim de que não seja permitida a prática da Ortotanásia?

Dr. Zalmino Zimmermann: O Movimento Espírita, sob os auspícios da FEB e com a participação da ABRAME e a AME-Brasil, vem operando ativamente em defesa da vida, não só nos Centros Espíritas, como junto aos Poderes constituídos. Vários programas têm sido dinamizados nesse sentido e, felizmente, a repercussão no meio espírita e na sociedade geral tem sido particularmente significativa.

A ABRAME - Associação Brasileira dos Magistrados Espíritas - tem a sua sede no SRTVN, Quadra 701, Conjunto C, Bloco B, Sala 807, Centro Empresarial Norte, Brasília, DF. Tel. (61) 329-5846. E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Compartilhar
Topo Cron Job Iniciado