pteneofrdeites

Sobre o autor

Jorge Andréa

Jorge Andréa

Compartilhar -

No caso da utilização das pílulas anticoncepcionais, no seio das quais se encontram combinados estrógeno e progestágeno, haverá inibição dos hormônios FSH e LH - secretados pela hipófise. Consequentemente, não haverá estimulação para a maturação dos folículos ovarianos com a respectiva ovulação. O folículo entrará em processo de atresia. Além do mais, o progestágeno estimula a produção de mucosidade, no colo uterino, francamente hostil à penetração e migração do espermatozóide nas vias femininas. Pelo exposto, podemos avaliar o processo agressivo nas estruturas gonádicas do organismo feminino, determinado pelo uso das pílulas.Compreendemos também que a conquista científica tem uma finalidade a alcançar. O uso das pílulas está merecendo mais profundas pesquisas, em se considerando a possibilidade de reflexos lesivos nos campos perispirituais.

Se as pílulas atuassem exclusivamente nas regiões materiais, estaríamos, de modo irrestrito, ligados aos conceitos defendidos pela ciência, quanto ao seu uso; entretanto, a existência dos campos perispirituais, praticamente na zona de acoplamento com a matéria, possibilita novos pensamentos indispensáveis à própria biologia que, por enquanto, não possui condições de mais precisa abordagem.

A utilização dos anovulatórios tem indicações na regularização do ciclo menstrual, podendo ser estendida a um equacionamento de planejamento familiar, dentro de certas medidas, nas quais possamos avaliar não só as influências nas estruturas funcionais do corpo físico, como também, e principalmente, na posição ética e moral pelos seus efeitos nos campos espirituais. Conhecer estas posições, na avaliação de utilização adequada dos anticoncepcionais, é permitir-lhe um conhecimento mais profundo das leis morais e da própria vida que uma universalidade de posição pode propiciar.

Por tudo isso, o controle da natalidade só poderá ter sentido quando avaliado de muitos ângulos, onde as diversas estruturas individuais, físicas e psíquicas, possam ser devidamente apreciadas e mais bem equacionadas. Mas o que esse está presenciando é a degradação de costumes ampliando e destroçando a organização genética com imensos reflexos nos futuros desajustes familiares, onde os mecanismos da reencarnação respondem com severas reações.

No terreno oscilante de transição em que vivemos, quais as decisões a serem tomadas em face do controle da natalidade? Não podemos generalizar os fatos e é problema de foro íntimo; cada caso, em particular, deverá ter seu próprio estudo e as devidas diretrizes.

O indivíduo mais conhecedor das leis da vida, sem razões reais para o controle da natalidade, responderá com muito maior intensidade diante da Lei a que está submetido e que deseja modificar com seu livre-arbítrio; aqueles que menos conhecem as proposições espirituais, por falta de evolução e incapacidade perceptiva, terão indubitavelmente a resposta-reação, porém relativa ao grau de conscientização diante do ato praticado.

O homem, nos dias de hoje, tem conhecimento do controle de reprodução, não para satisfazer seus baixos apetites e ampliar o gozo descontrolado pelas comodidades, e sim propiciar, cada vez mais, melhores condições físicas do cadinho reprodutivo, a fim de que os espíritos, mesmo em desalinho, possam ter na carne oportunidades mais bem ajustadas, como dádivas da própria evolução, na tentativa de minoração das dores que carregam consigo.

Compartilhar
Topo Cron Job Iniciado