pteneofrdeites
Artigo do Jornal: Jornal Agosto 2018
Compartilhar -

Correio Espírita - Como foi o processo de concepção do trabalho? Como você criou o projeto? E compreende mais publicações?

Guillermo Luís - Comecei a trabalhar como Diretor de arte no espetáculo teatral "Allan Kardec - Um Olhar para a Eternidade", com direção da atriz Ana Rosa, peça que conta a biografia do Codificador. Subitamente surgiu em mim grande interesse pela vida e a obra de Kardec e consequentemente, a assimilação da Doutrina Espírita em minha vida. Trabalhando neste espetáculo fiquei fascinado pela vida e obra de Allan Kardec, pela sua formação inicial e seu rápido envolvimento com o mundo espiritual, pelo conteúdo da sua importante obra e pela transformação radical que deu ao mundo pela codificação do Espiritismo. Como eu sou ilustrador e quadrinista, além de amante da vida e obra do Kardec, nada melhor que fazer este trabalho e desta forma contribuir com a divulgação da nossa Doutrina. Unir o útil ao agradável. No projeto “KARDEC e os Espíritos” pretendo fazer também animações, web-comics e livro, por isso chamo de projeto porque engloba diversos produtos, no caso do livro impresso teremos os seguintes volumes:

Tomo I: O Livro dos Espíritos (já publicado).

Tomo II: O Livro dos Médiuns (sendo produzido).

Tomo III: O Evangelho segundo o Espiritismo.

Tomo IV: O céu e o inferno.

Tomo V: A Gênese.

Tomo VI: Obras Póstumas.

O livro resulta útil tanto para quem deseje conhecer “O Livro dos Espíritos” quanto para quem está interessado na biografia deste grande homem.

 

Correio Espírita - E como foi o desenvolvimento da arte?

Guillermo Luís - Eu tenho um traço muito pessoal que tende ao engraçado, mas ao desenvolver o estilo que iria ter a arte do livro, tanto os personagens quanto seus quadros de fundo, deveriam ter um traço adulto e alegre ao mesmo tempo. Mesmo porque o livro se destina a jovens e adultos, não é um livro para crianças. No caso do personagem Kardec busquei tirar um pouco aquela imagem do homem metódico, científico, observador, nas poucas fotos que temos do Kardec aparece com essa posse rígida, séria, severa... dá até um pouco de medo. Procurei dar a ele uma imagem alegre, jovial e humana, mostrar um personagem por trás do homem. Achei que, por tratar-se do Herói da história, ele devia passar uma imagem sólida, ser um pouco mais altivo e forte. Com muitos esboços, muita dedicação e muita inspiração mediúnica consegui chegar ao personagem que, graças a Deus, está sendo do agrado de todos.

 

Correio Espírita - E o conteúdo do livro, como você desenvolveu?

Guilhermo Luís - A obra foi realizada com um “estilo Kardec”. O Livro dos Espíritos foi feito através da organização, classificação, desenvolvimento, revisão - e finalmente codificação – de respostas a uma série de questões. Então, da mesma forma, organizei diversas informações, extraídas literalmente de diversos biógrafos (como Henri Sausse, Anna Blackwel, André Moreil, Zéus Wantuil e Francisco Thiesen), de contos e romances do Silvino Canuto de Abreu e de relatos do próprio Allan Kardec, além de conclusões e investigações recentes sobre sua vida e obra. O restante é licença poética: argumentos criados para vincular os episódios e completar o argumento. De cada biógrafo fui tirando um trecho, por exemplo, tomemos a época de Yverdon, quando Kardec estudava no Instituto Pestalozzi, na biografia escrita por Henri Sausse, ele comenta que o jovem Rivail substituía Pestalozzi na direção da escola quando este se ausentava, eu fiz uma história com esse tema. Já a biografia de Zéus Wantuil comenta que durante sua educação ele percebeu a rivalidade religiosa entre os alunos da escola e que ele tentava unificar as crenças, e eu fiz uma história com esse tema. Anna Blackwel diz que ele gostava de botânica e fazia caminhadas pelos lagos suíços, coletando espécimes para seu herbário. Também fiz uma história com essa temática.

Outra fonte que eu utilizei bastante foram os relatos e romances de Canuto de Abreu. Por exemplo. Kardec publicou o Livro dos Espíritos pela Livraria e Editora Dentu, muito conhecida em Paris. Não se sabe como chegou até eles ou como foi a negociação, mas Canuto de Abreu escreveu um relato de como teria sido a primeira reunião. Se foi um relato fictício ou real não sabemos. Mas eu, em vez de criar uma ficção minha, optei por manter o relato do Canuto de Abreu. Eu só criei quando não havia referência mesmo. Também as aparências dos personagens que tinham registro fotográfico foi fiel, assim como os locais históricos. Todos estes textos, sejam de Kardec ou de outros biógrafos, foram colocados em primeira pessoa, como se fosse um relato do próprio Kardec no final da sua vida.

 

Correio Espírita - Qual foi seu objetivo neste projeto?

Guillermo Luís - A obra busca divulgar a obra e a biografia do Codificador, trazendo a doutrina tanto para o público juvenil quanto para o adulto. O livro tem a particularidade de ser para adultos, crianças vão gostar, mas uma grande preocupação (tanto minha quanto da Editora) era apresentar o livro como dirigido ao público adulto, porque quadrinhos é identificado geralmente para público infanto-juvenil, principalmente aqui no Brasil, até o nome “quadrinhos” ou “gibi” nos passa a ideia de produto para crianças, por isso no subtítulo eu queria colocar Comics, mas é um termo em inglês não muito utilizado. O objetivo era apresentar uma abordagem dinâmica, original e didática de “O Livro dos Espíritos”, através da linguagem contemporânea dos quadrinhos. 

O projeto funciona, também, para quem se inicia na Doutrina, como uma introdução para as obras fundamentais. Da mesma forma que a peça ensina, achei que também eu poderia ensinar com uma história em quadrinhos. “Kardec e os Espíritos” busca ajudar este público a conhecer as obras fundamentais de uma forma introdutória, mais leve, animada, colorida e dinâmica. E pretende levar também, a quem quiser se aprofundar, a se remeter às Obras Básicas originais e às grandes biografias do Codificador.

 

Correio Espírita - Parabenizando-o pelo magnífico projeto, gostaríamos de saber qual a previsão para a publicação do segundo tomo "O Livro dos Médiuns"?

Guillermo Luís - O número 2 já está sendo executado, estou fechando os roteiros e logo me colocarei a desenhar, colorir e finalizar. Ele, assim como o "Tomo l O Livro dos Espíritos" trará cenas da vida de Allan Kardec após o lançamento do Livro dos Espíritos" fazendo contraponto com O Livro dos Médiuns, tais como o lançamento da Revista Espírita, a revisão e ampliação de O Livro dos Espíritos junto a Ermance Dufoux, a inauguração da SPEE, a publicação do "O que é o Espiritismo" e os diversos episódios que aconteceram  durante a execução de O Livro dos Médiuns, trará também histórias paralelas de outros personagens como Léon Denis, Camille Flamarion, Delanne, Lachâtre, entre outros.

Quanto ao lançamento, o primeiro volume de "KARDEC e os Espíritos" foi lançado em 18 de abril deste ano, precisamente na comemoração do lançamento de O Livro dos Espíritos original (que foi em 1857), eu gostaria de terminar este segundo volume, e publicar, em 15 de janeiro (dia do lançamento do Livro dos Médiuns original que aconteceu em 1861), mas não sei se será possível, é um trabalho árduo e pela quantidade de detalhes leva muito tempo. Mas posso garantir ao público, que graças a Deus cresce dia a dia que ao longo de 2019 já teremos publicado este segundo volume.

Compartilhar
Topo Cron Job Iniciado