pteneofrdeites
Artigo do Jornal: Jornal Junho 2015

Sobre o autor

Djalma Santos

Djalma Santos

Compartilhar -

“Enleados em forças de baixo padrão vibratório, não aprendem a beleza da vida superior e, enquanto mentalidades frágeis e enfermiças se dobram humilhadas, os gênios da impiedade lhes traçam diretrizes, enfileirando-as em comunidades extensas e dirigindo-as em bases severas escuras do ódio aviltante e silencioso. Organizam assim, verdadeiras cidades, em que se refugiam falanges compactas de almas que fogem, envergonhadas de si mesmas, antes quaisquer manifestações da divina luz” (André Luiz – Livro Libertação. Psicografia de Chico Xavier. Cap. II – A palestra do Instrutor).

 

Fuja enquanto é tempo e enquanto está em experiências na vida terrena, dos vícios, desejos e paixões, que se não forem descartados aqui no Planeta, vão acompanhá-lo no mundo espiritual, onde certamente você vai engrossar a falange dos espíritos impuros que pululam em faixas vibratórias sombrias e trevosas do além, não só sofrendo horrores no campo mental, como também proporcionando sofrimentos aos seus familiares, tanto os que estão do outro lado da vida, como os que ficam, mas que um dia terão que partir também, encontrando no além da vida, aqueles que nos são caros, mas que nada fizeram para se sentirem felizes, causando constrangimento e decepção em todos aqueles por quem temos afetividade.

Denominam-se espíritos impuros todos aqueles que partem para o outro lado da vida sem nenhum sentimento de renovação, sem nenhuma capacidade de reação diante do mal que praticaram contra os seus semelhantes, porque não chegaram ao remorso e ao arrependimento, que são pontos iniciais para se descartar o mal interno que nos incomoda, e por isso partem para o além, exatamente como viveram aqui no Planeta; viciados e viciosos, autoritários, prepotentes, perversos, cruéis, maldosos e sensuais; orgulhosos, mentirosos, egoístas e maledicentes; ciumentos, hipócritas e despeitados, formando verdadeiras falanges de espíritos inferiores, que não abandonaram a Terra e nem a companhia dos encarnados, principalmente aqueles que deixam “brechas”, no comportamento, e passam a fazer parcerias com eles, que de algum modo se locupletam com as viciações humanas, tão ao gosto de quando eram vivos.

São impuros também os espíritos que, no além, continuam praticando todo tipo de maldade e perversidade; são os lascivos, sensuais, mentirosos, egoístas, e até certo ponto possuem determinada liberdade para a prática do mal; embora ela não seja absoluta, e só possa alcançar as pessoas com quem tenham afinidades, e é esse trabalho sujo executado pelos espíritos inferiores ou impuros, que se aglomeram aos milhares, partilhando com as criaturas terrenas as condições sombrias de habitabilidade da Crosta Terrena, que em síntese, é uma faixa agregada à atmosfera espiritual da Terra, onde estão temporariamente os chamados “mortos”, que na realidade estão vivos, e apenas não envergam mais a indumentária física, mas continuam com todos predicados do espírito imortal, esse viajor incansável da eternidade.

Dentre os espíritos impuros, existem aqueles que são rebeldes por excelência, formando verdadeiras quadrilhas bem organizadas, com a finalidade de perturbar o homem terreno, que de alguma forma, e às vezes inconsciente, compartilha, dando condições de aproximação e imantação, por causa das viciações que muitas pessoas acalentam, como o vício do álcool, do fumo, das drogas, do jogo e da sensualidade excessiva; ou então as viciações morais como o ódio, rancor, ressentimento, raiva, maldade, crueldade, perversidade, ciúme, maledicência, mentira, despeito, autoritarismo e prepotência. O deboche, a traição, a indiferença, são também corrosivos mentais de alto teor destrutivo, e do agrado de entidades espirituais, bravias, coléricas, tristes, melancólicas e depressivas, e que estão sempre ao lado dos desavisados e incautos da vida terrena.

Quanto maior for a inteligência e a sabedoria do espírito, maior será sua força mental, e consequentemente maior será sua capacidade para entender a vida espiritual, e quanto maior a ignorância, maior será a possibilidade de se entregar aos vícios, desejos e paixões, devido à cegueira intelectual e moral, que de alguma forma tapa os ouvidos e os olhos, fazendo com que o espírito possa agir simplesmente pelo instinto. O espírito impuro estampa na sua “aura humana” o sintoma doentio da sua loucura, e de todo mal que representa para ele mesmo, porque escravizaram suas mentes, a todo tipo de crime, falcatruas, escândalos e pecados, criando dentro de si mesmo, uma segunda natureza, a natureza do mal, em que cometer pecados os deixa felizes, principalmente quando encontram parceiros para dividir a desdita ou infelicidade.

Do outro lado da vida, dentro das possibilidades de cada um ou grupo, os espíritos impuros constroem e organizam cidadelas sombrias, guetos, favelas, masmorras e prisões; como sendo construções fluídicas encetadas por mentes desequilibradas, e por isso mesmo, não possuem nenhum tipo de beleza, ou características sublimes, e sim são grosseiras, sem linha de acabamento, tortas e opacas; são frias e escuras, e administradas com violência e brutalidade. Essas cidadelas e comunidades tristes, ficam localizadas numa faixa vibratória, que os espíritos iluminados chamam de “Umbral”, muito próxima a esfera psíquica dos encarnados, e aí vivem milhares de espíritos, como se fosse um formigueiro imenso, alimentado por vícios, desejos e paixões, tanto dos desencarnados como dos encarnados, que mantém contato com esse plano.

Compartilhar
Topo Cron Job Iniciado