pteneofrdeites
Artigo do Jornal: Jornal Dezembro 2016

Sobre o autor

Pedro Valiati

Pedro Valiati

Compartilhar -

Bastante simbólico e de grande reflexão nos traz que as duas principais passagens do Evangelho sejam pautadas na celebração da vida.

       Na primeira, um homem, em sua verdade, enfrenta a fúria e hediondez de muitos. Recebe as inglórias, o castigo, a ironia e o fel. Até que a vida se mostre, através da libertação dos apelos mundanos.

       Em outro momento, a vida se denota de esperança, apesar das forças contrárias, do exército perseguidor e assassino de um rei, ela estabelece-se, nem que para isso seja necessário que se envie uma estrela-guia. Em lugar de um estabelecimento, uma gruta, na falta de um berço, se deu uma manjedoura.

       Neste instante, em que o ano chega a seu termo, é necessário o recenseamento de nossas ações.

       Antes de adentrarmos às necessárias reflexões e meditações, importante esclarecermos que um ano se trata de uma concessão. Concessão, esta, a qual se reveste em 365 oportunidades, cada uma com 24 momentos bem marcados, e cada um desses momentos é preenchido por invitáveis 60 instantes.

       Portanto, aqueles que tiveram as bênçãos da concessão em forma de dezenas de anos, não acuse a ninguém a falta de tempo para reconciliar-se com seus irmãos. Não acuse a ninguém não ter conseguido conduzir o tempo na elevação e ações no bem. Hoje, é tão mais acessível a comunicação e informação, o primeiro passo para a paz com o próximo é também o que adentra a paz íntima.

        A reflexão proposta deve permear o terreno do passado, nos trazendo o entendimento para que novas ações sejam calcificadas.

       Apenas aquele que se ama verdadeiramente consegue, honestamente, adentrar aos segredos do íntimo, apenas o amor a si permite a análise sincera do sentimento a delinear-se a silhueta do próprio caráter, do próprio ser. Difícil tarefa, porém, necessária.

       Qual teria sido a respectiva ação perante o familiar revolto? O insulto foi absorvido e tolerado? Ou ainda teimamos no “Olho por olho”? Temos sido o ouvido fraternal ou o muro de concreto que tudo rebate? Temos utilizado o tempo na dedicação dos nossos ou própria? Se temos laços, temos, portanto, obrigações do passado.

       O fato de termos as oportunidades na Seara do Cristo, não nos liberta ou exime de tais compromissos, pelo contrário, dá-nos ainda maiores responsabilidades.

       Somos exemplos, dentro de nossas limitações, de bondade e tolerância, parcimônia e correção na sociedade? Certamente, conseguimos discernir o certo do errado. Ainda enviamos mensagens coletivas denegrindo determinado grupo social ou político?

       Antigo alerta nos lembra que a boca fala do que o coração está cheio, isto inclui as redes sociais. Sois espíritas e trabalhadores do Cristo 24x7, à frente ou não do computador.

       Sejamos veículos da paz, da tolerância e da correção. Revolta e ansiedade devem ser tratadas.

       Reflexão completa, urge determinarmos novas ações, meditar na estratégia da alma para as próximas concessões.

       Por vezes, dentro do lar, enfrentaremos as chibatadas da ofensa e acusações, um exército de perseguidores. Saibamos compreender que são cobradores e não inimigos, merecem e necessitam perceber que são amados. A eles, ofereçamos a outra face, o amor, como a teimosia da água, encontrará o caminho do coração e da transformação de cada um desses irmãos, através do tempo. Tenhamos paciência, mantendo a paz interior diante da cobrança. Se amamos o Cristo, devemos apascentar-lhe as ovelhas.

       Não permitamos que vicissitudes nos perturbem o espírito, sempre haverá o apressado, a falsa solução fácil, o dissonante de ideias, os imprevistos etc. São todas vicissitudes, e deverás atravessá-las sem reclamar, a reclamação não harmoniza, assim como as ofensas e ironias não corrigem.

Acusação e ansiedade nunca convém ao coração que deseja burilar-se. A paz deve habitar em vós. O amor pauta tudo.

       Eis o caminho do Gólgota, a porta estreita, o campo a ceifar. Não desanimemos, virão as adversidades, a coroa de espinhos. Utilizem a estrela guia da mensagem Cristã, na proteção divina da fé e da perseverança.

Ânimo e paz. Assim se celebrará a vida em vós, no decorrer dos tempos, na forma de libertação, após os sofrimentos ou ainda nas jornadas da esperança, da vida em renascimento do Cristo em nós.

Compartilhar
Topo Cron Job Iniciado