pteneofrdeites
Artigo do Jornal: Jornal Agosto 2014

Sobre o autor

Dirceu Machado

Dirceu Machado

Compartilhar -

Frederic William Henry Myers nasceu em Keswick (Cumberland), Inglaterra, a 6 de fevereiro de 1843, e faleceu em Roma, Itália, a 17 de janeiro de 1901.

Filho de um reverendo anglicano, perdeu o pai na infância, ligando-se estreitamente à sua mãe. Cresceu em ambiente favorável aos estudos, vindo a concluir seus estudos no conhecido Trinity College de Cambridge. Destacou-se no estudo da cultura clássica greco-latina, tornando-se, mais tarde, professor na área. Posteriormente abandonou esta atividade para ser inspetor de ensino nomeado pela coroa britânica no distrito de Cambridge.

Desposou Eveleen Tennant, filha de uma rica família londrina. A esposa de Myers dedicou-se à fotografia amadora e acabou por produzir notáveis retratos de eminentes figuras da sociedade britânica da época. O casal Myers teve três filhos: Leopold, Harold e Sylvia. Leopold Myers tornou-se um novelista de considerável destaque.

Carreira Literária

Em termos litarários, alguns de seus poemas se tornaram muito populares na época, como, por exemplo, Saint Paul e The Renewal of Youth (1882). Myers dedicou-se também à crítica literária, tendo publicado a obra Woodsworth (1881). Na condição de ensaísta, publicou Essays, Classical and Modern (1883) em dois volumes. Os ensaios sobre Virgílio e sobre os Oráculos da Grécia Antiga são considerados expoentes do gênero.

Fenômenos Paranormais

Seu interesse em pesquisar fenômenos paranormais e psíquicos nasceu em 1869, depois de um passeio à luz das estrelas e de uma conversa com Henry Sidgwick, um dos mais eminentes filósofos da era vitoriana inglesa, cujo trabalho continua a exercer grande influência nas teorias ético-políticas anglo-americanas.

A ideia de Myers era que, se um mundo espiritual alguma vez se manifestou aos seres humanos, uma investigação séria deveria ser feita para descobrir sinais inconfundíveis disso. Assim, juntamente com Henry Sidgwick, Edmund Gourney e Frank Podmore promoveram a fundação da Sociedade de Pesquisas Psíquicas de Londres (Society for Psychical Reseach - SPR).

Dedicou todas suas energias em seu novo trabalho e concentrou-se com profundidade na ciência com viés psicológico. Dos 16 volumes das Atas da Sociedade publicados enquanto viveu, há poucos volumes sem alguma contribuição importante de sua parte. Na SPR, ocupou o posto de secretário honorário. Em 1900, Myers foi eleito presidente, um posto que apenas distintos cientistas antes haviam ocupado.

Myers descreveu e discutiu uma vasta matriz de fenômenos de origem subliminar incluindo sonhos, escrita automática, alucinações, aparições, histeria, múltipla personalidade, transe mediúnico, telepatia, hipnose, criatividade e gênio.

Tornou-se amigo de filósofos da época, principalmente de William James, que participava das reuniões da SPR e, posteriormente, fundou nos Estados Unidos a American Society for Psychical Reseach – ASPR.

William James sugeriu que os problemas da mente subliminar devessem ser chamados de “o problema de Myers”.

Pesquisas Realizadas

Em 9 de maio de 1874, na companhia de Edmund Gurney, avaliou o médium William Stanton Moses. Os dois tornaram-se amigos íntimos, tanto que quando Moses morreu no dia 5 de setembro de 1892, suas agendas foram passadas a Myers para estudo.

Os artigos de Myers nas Atas da Society for Psychical Research (vols. 9 e 11) contêm os melhores relatos daquela notável mediunidade, embora suas conclusões não fossem unicamente baseadas nas experiências pessoais com Moses. Ele também participou em algumas assustadoras sessões envolvendo C. E. Wood e Annie Fairlamb Mellon.
Em 1894, no Ile Roubaud, Myers, convidado por Charles Richet, participou com Sir Oliver Lodge e Julien Ochorowicz das experiências conduzidas com Eusapia Palladino.

Mais tarde, participou de outra série de sessões com Palladino em Paris e, por um pedido de Richet, declarou ter se convencido que tanto a telecinesia como a ectoplasmia eram fenômenos genuínos. Ele também testou a Sra. Thomas Everitt, Elizabeth d'Esperance e David Duguid. Posteriormente, Myers experimentou videntes em cristal e investigou a casa assombrada dos Ballechin em Perthshire, Escócia. Como resultado, publicou dois artigos nas Atas da SPR: "On Alleged Movements of Objects without Contact, occurring not in the Presence of a Paid Medium".

Diversas Opiniões Sobre Myers

Theodore Flournoy, que foi um aprofundado psicólogo, considerou Myers "uma das personalidades mais notáveis de nosso tempo no reino de ciência mental". Mais ainda, observou: "Se descobertas futuras confirmam sua tese da intervenção dos desencarnados, na trama de nosso mundo mental e físico, então seu nome será gravado no livro dourado do iniciado, e, unido aos de Copérnico e Darwin, ele completará a tríade dos gênios que mais profundamente revolucionaram o pensamento científico, na ordem, Cosmológica, Biológica e Psicológica".

Walter Leaf comparou Myers a Ruskin e o considerou em alguns aspectos seu igual. De acordo com Charles Richet, "se Myers não era um místico, ele teve toda a fé de um místico e o ardor de um apóstolo, junto com a sagacidade e a precisão de um sábio".
"Eu nunca conheci um homem tão esperançoso quanto ao seu destino final" , escreveu Sir Oliver Lodge, in memoriam. "Ele, uma vez, perguntou-me se eu trocaria — se fosse possível — meu incerto destino, qualquer que fosse esse, por muitas Eras de sábia felicidade terrestre que pudessem existir até o último secular pôr do sol, e depois um fim. Ele não trocaria.".

Myers não atuou apenas na primeira geração da Parapsicologia, mas num tempo em que a Psicologia lutava para se separar do domínio da Fisiologia. As afáveis palavras dos contemporâneos de Myers sobre as suas teorias psicológicas refletem o alto conceito que gozava na comunidade intelectual e a grande consideração que foi dada às suas ideias concernentes à personalidade humana.

Destaca-se, entre vários livros que escreveu, Human Personality and it's Survival of Bodily Death, publicado postumamente em 1903, sobre telepatia, hipnotismo e outros assuntos. Colaborou com Edmund Gurney e Frank Podmore em Phantasms of the Living (1886), o primeiro estudo intensivo sobre aparições.

Frederic Myers, intelectual, ensaísta, poeta britânico, notabilizando-se como um dos pioneiros na pesquisa de fenômenos paranormais e fundador da Sociedade de Pesquisas Psíquicas de Londres (Society for Psychical Reseach- SPR), é mais uma prova de que Ciência e Espiritualidade podem caminhar juntas.

Fonte de consulta:

1. Wikipédia, a enciclopédia livre.

2. GODOY, Paulo Alves; LUCENA, Antônio. Personagens do Espiritismo (2ª ed.). São Paulo: Edições FEESP, 1990.

3. Occultism & Parapsychology Encyclopedia

4. http://www.espirito.org.br/portal/biografias/fredrich-william.html

Compartilhar
Topo Cron Job Iniciado