pteneofrdeites
Artigo do Jornal: Jornal Julho 2019

Sobre o autor

Saulo de Tarso

Saulo de Tarso

Compartilhar -

Allan Kardec, no capítulo V (Bem- aventurados os Aflitos), utilizou bem a expressão resignação, destacando o sofrimento, as provas e expiações, apresentando suas origens nesta ou em outras existências.

Resignação, por certo, está bem latente em de tudo o que aprendemos na doutrina, ; aliás, quando um neófito apresenta seus problemas nos atendimentos fraternos, logo a receita começa com resignação e paciência,  passando para o irmão necessitado de orientação e amparo que as preces são um lenitivo para as nossas mazelas e que possamos buscar forças no Evangelho e, assim, começar a ver com outros olhos uma melhor alternativa para entender o motivo daquela dor e jamais se revoltar contra o Pai Criador.

Assim, nesse conjunto harmônico, as alternativas para equacionar os problemas começam a se desenhar – prece e paciência resultam no equilíbrio.

Conceitos e filosofias precisam ser bem compreendidos. Em busca rápida na biblioteca virtual – Wikipédia, “por exemplo, a primeira nobre verdade do Budismo, "a vida é sofrimento", convida as pessoas a aceitarem que o sofrimento é uma parte natural da vida”.

Entretanto, não é tese espírita afirmar que é preciso sofrer ou que teria de passar por determinadas situações. O sofrimento é proporcional ao processo evolutivo do homem, que, utilizando o seu livre arbítrio, cria para si o determinismo divino, respaldado na lei de ação e reação.

Diante da imortalidade da alma e mais equilibrado, pode compreender melhor que a resignação é dor sem sofrimento. Se fortalece não pela inércia diante da dor, mas sempre por uma oportunidade de crescimento que nos faz crescer diante do amor de Deus.

Muita paz!

Compartilhar
Topo
Ainda não tem conta? Cadastre-se AGORA!

Entre na sua conta